Linfedema - Causas, Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Médico de Veia

Telemedicina Barão Vascular

Consulta online via Telemedicina. Praticidade e comodidade para quem está fora da cidade de São Paulo.
Excelência no cuidado sem sair de casa.
Tranquilidade para você e sua família.

Linfedema

Linfedema é uma doença crônica caracterizada pelo inchaço progressivo de um membro (braço ou perna) por acúmulo de linfa nos tecidos debaixo da pele, causando importantes repercussões funcionais e estéticas que alteram a qualidade de vida dos seus portadores.

É fundamental o seu diagnóstico em fases iniciais, pois o tratamento pode evitar a progressão da doença para as formas mais avançadas e limitantes.

Erisipela de repetição - Instituto Barão Vascular

O que é Linfedema

Existe um vasto grupo de doenças linfáticas de diferentes causas que cursam com o linfedema. Como consequência, o linfedema não é uma doença em si, mas um sinal, dentre outros, que pode ser encontrado em pacientes com insuficiência linfática crônica de diversas origens (congênita, traumática, pós-infecciosa).

O linfedema é o inchaço causado pelo acúmulo de linfa (líquido originado do sangue, rico em proteínas, e outras macromoléculas) no tecido subcutâneo, ou seja, aquele localizado abaixo da pele, geralmente dos braços ou das pernas.

Inchaço da Perna Causado por Bloqueio dos Vasos Linfáticos

Com o tempo, a estase linfática cria um ambiente de inflamação crônica, que acarreta lesão tecidual e fibrose da pele e do tecido celular subcutâneo, o que promove lesão adicional fibrótica dos vasos linfáticos e aumento da proliferação do tecido conectivo, aumentando o volume do membro.

Causas e Tipos de Linfedema

O linfedema pode ser dividido em:

  • PRIMÁRIO: quando não se pode definir uma causa para a ocorrência do linfedema. Aqui, há ainda algumas subdivisões:
    – Primário Congênito: quando se manifesta até os 2 anos de idade. Podem estar associados a outras síndromes e malformações congênitas ou ocorrer de maneira isolada.
    – Primário Precoce: manifesta-se entre 2 e 35 anos de idade. É mais comum em mulheres e geralmente tem início na adolescência. É o mais comum entre os linfedemas primários.
    – Primário Tardio: manifesta-se após os 35 anos de idade. Também são mais comuns em mulheres e, em geral, têm uma evolução mais favorável.
  • SECUNDÁRIO: neste caso, a disfunção anatômica ou funcional acontece em tecido linfático previamente normal, sendo possível identificar na história clínica do paciente o fator causador do linfedema:

– Câncer é a causa mais comum de linfedema secundário, seja por compressão dos vasos linfáticos ou invasão dos mesmos.
– Processos inflamatórios dos linfáticos: infecções por fungos ou bactérias, infecção por filária, ação de agentes químicos (como a sílica, por exemplo), doenças sistêmicas como artrite reumatoide e psoríase
Linfedemas traumáticos: aqui podem ser incluídos os casos que se desenvolvem após cirurgias para tratamento de tumores – particularmente câncer de mama, câncer de próstata e melanoma em que há a necessidade de remoção de tecido linfonodal (linfadenectomia). Também podem ocorrer após cirurgias de retirada da veia safena (tratamento de varizes ou para revascularização miocárdica com ponte de safena) ou após cirurgias de reconstruções arteriais em membros.

Sintomas do Linfedema

O principal sintoma é o inchaço. Pode haver associação com sensação de desconforto do membro acometido.

Perna Esquerda com Insuficiência Linfática Crônica Linfedama

Em estágios mais avançados há aumento de volume do membro, com deformidade significativa, chegando a causar incapacidade funcional. Podemos classificar o linfedema em quatro estágios, que vão de 0-III, de acordo com os sintomas:

  • Estágio 0: chamado de período de latência. Aqui, há diminuição da reserva funcional dos vasos linfáticos, porém não há manifestação clínica de edema do membro. Esta fase pode durar de meses a anos; em alguns casos não há a progressão para estágios subsequentes.
  • Estágio I: denominado fase de linfedema reversível. Os sintomas incluem edema depressível (ao apertar com o dedo, fica a marca no local por alguns minutos), pouca ou nenhuma fibrose dos tecidos e regressão completa com o repouso noturno. Ou seja, o paciente acorda com a perna completamente desinchada.
  • Estágio II: chamado de linfedema espontaneamente irreversível, o que significa que há progressão do edema para o estado de fibrose – o edema deixa de ser depressível. Nesta fase, o repouso noturno não é mais suficiente para a regressão significativa do inchaço do membro.
  • Estágio III: é o estágio mais avançado, quando há grande deformidade e incapacidade funcional do membro acometido.

Estágios de Linfedema dos Membros Inferiores

Diagnóstico de Linfedema

Na maioria das vezes, o diagnóstico é feito por meio da história clínica e exame físico do paciente, sem a necessidade de exames complementares. Contudo, em algumas situações, para que seja feito o diagnóstico diferencial com outros tipos de edema, pode ser solicitada uma linfocintilografia do membro acometido.

Tratamento do Linfedema

O foco do tratamento do linfedema é o alívio dos sintomas e redução do edema. Não existe nenhum tipo de tratamento atualmente que restabeleça a função linfática normal e a regressão completa das alterações teciduais. Por ser uma doença crônica, ou seja, sem cura, o tratamento deve ser mantido pelo resto da vida do paciente. Atualmente, o tratamento do linfedema com melhores resultados é baseado na tétrade chamada terapia física complexa (TFC), que é composta por:

  • Drenagem linfática manual
  • Compressão elástica ou inelástica dependendo da fase do tratamentoTratamento do Linfedema com Compressão Elastica
  • Exercícios miolinfocinéticos (exercícios que favorecem a drenagem da linfa)
  • Cuidados com a pele.

Estes quatro elementos funcionam conjuntamente, e quaisquer um deles isoladamente tendem a produzir resultados ruins. Como é um tratamento continuado, é fundamental a aderência completa do paciente ao tratamento, seguimento regular com cirurgião vascular e acompanhamento com fisioterapeuta apto e treinado nas técnicas específicas para este tipo de tratamento.

O tratamento do linfedema tem duas fases:

  • Fase descongestiva: fase em que a maior parte do edema é reabsorvida e se inicia regressão das alterações teciduais fibro-escleróticas. Aqui as sessões de drenagem linfática são mais frequentes e a compressão é realizada por meio de enfaixamento inelástico. Dura entre 6 a 8 semanas.
  • Fase de manutenção: aqui as drenagens linfáticas são ocasionais e o resultado da primeira fase é mantido ou melhorado com uso de compressão elástica. A fase de manutenção deve se estender por toda a vida.

Tanto os exercícios miolinfocinéticos quanto os cuidados com a pele devem ser mantidos nas duas fases do tratamento.

Entre em contato com o Instituto Barão Vascular e agende sua consulta.

Nossas Unidades 

Médico Vascular em São Paulo - Clinica Barão Vascular

Unidade Pompéia

Comercial Casa das Caldeiras
Av. Francisco Matarazzo, 1752, Conj. 317 - Pompéia - São Paulo/SP
Atendimento de segunda a sexta-feira das 7:30h às 20h.
Dúvidas ou agendamentos pelo  WhatsApp: (11) 95937-4639 ou pelos  telefones: (11) 4800-3030 | 4800-3031 | 3865-3049.

Unidade Paulista

Edifício Praça Pamplona

Rua Pamplona, 145, Conj. 413 – Bela Vista – São Paulo/SP

Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00h às 17h.

Dúvidas ou agendamentos pelo   WhatsApp: (11) 94067-3952 ou pelo  telefone: (11) 94067-3952

Médico Vascular em São Paulo - Clinica Barão Vascular
Médico Vascular em São Paulo - Clinica Barão Vascular

Unidade Itaim Bibi

Edifício The Enterprise Center

R. Joaquim Floriano, 820, 10º andar - Itaim Bibi - São Paulo /SP

Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00h às 17h. 

Dúvidas ou agendamentos pelo  WhatsApp: (11) 93207-6315 ou pelo  telefone: (11) 93207-6315

whatsapp
Unidade Pompéia
Unidade Paulista
Unidade Itaim Bibi